Eu sei. Eu sei que fui a pessoa mais chata, estúpida, cabra e estranha que tu alguma vez conheceste. Mas eu sei que o nosso amor não foi uma mentira. Ainda cá está, sabes? O meu amor por ti. Está aqui, à espera que voltes. Tenho saudades tuas. Tenho saudades das tuas piadas, da maneira como tocavas no meu cabelo. Da maneira que me abraçavas, da maneira que as nossas mãos se tocavam. De como tu olhavas para mim, como se eu fosse um anjo. Tu costumavas dizer que eu era o teu anjo. Tu dizias que eu era a única que te dava forças suficientes para enfrentares os teus medos. Tu dizias que sabias que eu rezava por ti, todas as noites, enquanto dormias. E sabes que mais? Estavas certo. Eu rezei por ti todas as noites, ainda rezo mesmo que não estejas aqui. Olho para as estrelas e a lua e sei que estás do outro lado a fazer o mesmo, desejando estar comigo. Eu sei tudo isto e é isso que me faz sentir assim, cansada de ser forte, de aguentar coisas como estas, de sentir saudades tuas, de chorar por ti. Eu estou cansada, está bem? Tu devias estar aqui, comigo, a ajudar-me, a tocar no meu cabelo, a dizer que me amas. Tu devias estar aqui porque eu preciso de ti. Provavelmente estou a ser egoísta mas eu sei que me compreendes. És o único que sempre compreendeu. Conhecer-te foi a decisão que me fez ver o mundo com outros olhos, outra luz. Ainda há pessoas que me perguntam por ti... e quando eu digo que morreste elas dizem “chegou a vez dele” e vão embora. Eu choro cada vez que isto acontece, a pensar em ti e em como as pessoas podem ser tão frias, como elas podem lembrar-se de todos os bons momentos que passaste com elas e dizer apenas que era a tua hora. Eu choro porque parece que são pessoas sem coração, e eu não o sou. Isto está a matar-me. Bocadinho por bocadinho, está a matar-me por dentro. Sabes como eu me sinto? Com raiva! Partiste demasiado cedo e não merecias isso. Estou com raiva porque pessoas que diziam que te amavam não ficam nem um bocadinho tristes com a notícia de que já não estás entre nós. Estou com raiva porque partiste e levaste um grande pedaço de mim contigo. Estou com raiva porque sei que nunca vais voltar. Todos as noites, nas minhas orações, eu desejo que estejas no nosso esconderijo a abraçar-me, a tomar conta de mim. Mas depois lembro-me de tudo isto e choro mais uma vez. Adormeço a chorar. Lembras-te quando eu chorava nos teus ombros e adormecia? Bem, esses momentos mostraram-me que não é necessário ser amigo de alguém há muito tempo para confiar nessa pessoa, como eu confiava em ti. E, acredita em mim quando te digo que tinha confiança em ti, que te amei de todo o coração. No fundo, eu sei que acreditas, só não me canso de o repetir. Só te quero pedir uma coisa: não te esqueças do que passámos juntos. Peço-te isto de joelhos, se for preciso, eu só não quero que te esqueças de todas as piadas, todos os sorrisos verdadeiros que eu partilhei contigo, todas as vezes que eu chorei no teu ombro e tu choraste no meu. Eu não quero que esqueças os pequenos momentos como quando me abraçaste pela primeira vez, quando te dei a primeiro chapada amigável, a primeira prenda que partilhámos, eu não quero mesmo que esqueças as pequenas coisas que fizeram de nós o que fomos. Eu prometo que também não vou esquecer nada. Posso prometê-lo para a lua, para as estrelas, para o mundo inteiro, para o céu onde vives: eu não vou esquecer o que passámos. Mesmo que me dessem essa oportunidade, eu não iria querer. Momentos como esses fazem parte de mim. Parte de nós. Tu levaste um grande pedaço meu junto contigo, e as nossas memórias são o que me resta. Estes momentos e a esta pulseira: é tudo o que eu tenho de ti. Eu sei, vou ter sempre o nosso esconderijo mas não é o mesmo sem ti. Nada é o mesmo sem ti. Nem ouvir a nossa música me faz sentir tão bem como fazia quando estavas comigo. Lembras-te de como sentíamos borboletas na barriga ao ver aquela fotografia? Já não sinto mais. Quando a vejo, apenas choro. Lembras-te daquele dia no centro? Tenho a certeza que foi o melhor da minha vida. Foi um dos últimos dias que te vi. E quando eu vejo fotografias dos últimos dias que passei contigo, não sei... Dói. Dói pensar que nunca mais te vou abraçar, que nunca mais te vou tocar, que nunca mais vou ver os teus olhos lindos, que brilhavam imenso quando estavas comigo. É por isso que eu choro. É por isso que tomei a decisão de apagar todo vestígio de fotografias nossas. Todas as manhãs quando acordo desejo que estivesses aqui comigo. Passei pela primeira vez o meu aniversário sem ti. Pela primeira vez não foste o primeiro a mandar uma mensagem, a ligar-me, ou a dar-me um abraço e um beijinho. Foi a primeira vez que não passei um dia importante contigo. Eu sei que estiveste do meu lado durante todo o dia, mas eu precisava de um abraço. Precisava de ouvir um “adoro-te burrinha”, precisava de ter olhado para esses olhos e não conseguir ver mal nenhum neles. Desculpa-me. Eu sei que estiveste ali, só não estiveste da maneira habitual... e ainda assim isso dói. Lembras-te daquela música “I’m running away, I’m leaving this place, and faster than you can follow me, run this life ‘till it’s out, and farther than you can find me, I’m leaving today”? Bem, essa música é a que mais me faz lembrar de ti. Tu fugiste para longe também. E foste para um lugar onde eu não te posso mesmo encontrar. Mas “run this life ‘till it’s out” lembra-me muito aquela noite. A primeira noite em que olhaste e disseste que eu era a melhor pessoa da tua vida. Foi a nossa noite, não foi? Inteiramente nossa. Quando toda a gente foi embora e tu ficaste para me ajudar. Quando aumentaste o volume do rádio e me levaste para o palco para dançar comigo. Calcaste-me imensas vezes, e a meio de tudo disseste que aquilo era o que querias fazer desde que o espectaculo terminou e se ligou o rádio. Foi realmente a nossa noite. E o melhor era que eu sabia que era um sentimento sem segundas intenções. Não existia paixão à mistura, apenas amizade. Lembras-te daquele dia na ponte? Sim, esse mesmo, quando cantaste para mim. Eu podia jurar que ouvi uns vidros a partir lá perto, mas foi mágico. Contigo tudo foi mágico. Prometo que nunca vou perder a força que passaste para mim. Já não estás entre nós mas, o meu amor por ti vai estar sempre aqui.