Um cigarro atrás do outro. Tem sido difícil me suportar. Unhas roídas até á carne. Gosto amargo na boca. Por tantos tragos, tantos pensamentos, tantas angústias. Culpas? Perdas? Erros? Ponto final. A falta dele que sufoca. Lágrimas salgadas. Tento a todo custo me sentir bem. Como ele pediu. Mas como posso fazer isso? Não me suporto. Não sei ser eu. O ar que entra invade. Arrepia. Arde. Covardemente mantenho-me no mesmo sítio. Seguro-me nas lembranças e lá vou eu porque a vida espera-me. E ele, apesar de distante, é tudo o que eu sempre quis.